28
out-2012

Anatel improvisa medição móvel e afeta acessos fixos

Notícias   /   Tags:

Falta uma semana para começar o sistema de medição da qualidade das conexões à Internet que será usado pela Anatel como parâmetro na regulação dos serviços das operadoras. Mas ainda sobram problemas na adaptação do modelo a ser adotado no Brasil, a partir do sistema desenvolvido pela empresa responsável – uma parceria das britânicas PwC e SamKnows.

Em essência, não existe um sistema para medir as conexões móveis. A partir de 31/10, quando começam as medições conforme previsto em regulamento da Anatel, será adotada uma saída, que fará testes nas conexões sem fio, mas somente de forma estacionária.

“A posição da Anatel é de que tem que ter a medição com mobilidade, mas não existe uma solução”, diz o superintendente de Serviços Privados da agência, Bruno Ramos, que coordena o grupo de implementação do programa de medição da qualidade (Gipaq).

Uma reunião do Gipaq nesta quarta-feira, 24/10, decidiu que os acessos móveis serão verificados com a instalação de equipamentos (probes) em diversos pontos do país. Mas eles atuarão como usuários, medindo hipotéticas conexões sem fio. E estarão fixos.

A ideia é instalar cerca de 5 mil desses equipamentos no país voltados à medição móvel. E é aí que o problema transborda para a medição dos acessos fixos – pois esses equipamentos serão “descontados” do total previsto para a medição das conexões fixas.

Inicialmente, a Anatel e a Entidade Aferidora da Qualidade (gerida por uma associação da PwC com a SamKnows) divulgaram uma campanha para alcançar cerca de 12 mil voluntários que receberiam equipamentos domésticos para medir a qualidade das conexões fixas. Agora devem ser 6 mil.

“Serão cerca de 6 mil probes para acessos fixos e uns 4,5 mil, 5 mil, para móveis”, admite o superintendente Bruno Ramos. Acontece que, segundo explicaram Anatel e EAQ, os 12.091 voluntários não surgiram de um número aleatório, mas era o necessário para cobrir, estatisticamente, os diferentes perfis de usuários.

A inexistência de um sistema para verificar as conexões móveis já fora uma questão levantada desde o início do processo de seleção e modelagem da medição prevista em regulamento. Segundo Ramos, o sistema operacional de um smartphone ou mesmo o nível da bateria influenciam no resultado.

“Vamos, talvez a partir de dezembro ou janeiro, iniciar testes tendo em vista dois modelos possíveis. Um com a instalação dos equipamentos em unidades móveis. O outro seria um software para smartphones, que permitiria a qualquer um fazer testes em qualquer lugar”, explica o superintendente.

O primeiro modelo é semelhante à solução provisória, no qual equipamentos simulam usuários, com a diferença de que, ao invés de fixos, seriam instalados em carros – está em negociação o uso dos veículos dos Correios, visto que possibilitariam medições em rotas aleatórias.

0

0

 likes / 0 Comments
Share this post:

comment this post


Click on form to scroll